Curta a nossa página
01/02 15h26 2018 Você está aqui: Home / Saúde Emanuel Vital Imprimir postagem

Piauí investiga dois casos suspeitos de febre amarela, diz Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde divulgou no final da tarde de ontem (30) que o Piauí investiga dois casos suspeitos de febre amarela. O Estado possui 58 cidades com recomendação para a vacina. Outro caso que havia sido notificado foi descartado para a doença. Os dados são referentes ao período de 1º julho de 2017 a 30 de janeiro deste ano

O Piauí registrou a morte recentemente de 4 macacos, sendo um em Jatobá do Piauí, dois em São Raimundo Nonato e um na zona Rural de Teresina. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado, no caso de Jatobá, o animal morreu em consequência de um atropelamento. Já os de São Raimundo Nonato, a Sesapi afastou a possibilidade de a causa das mortes ter sido febre amarela. O animal encontrado morto no povoado Cocal, em Teresina, ainda está sob investigação. 

Apesar de não ser  área de risco da febre amarela, a Sesapi  recomenda que a população dos 57 municípios que fazem divisa com a Bahia procure uma unidade de saúde para imunização. Deve ser vacinada pessoas entre 9 meses e 57 anos de idade. A vacina  também é recomendada para quem vai viajar para São Paulo e Minas Gerais.

A Secretaria de Saúde disponibilizou 16 mil doses de vacina que já se encontram nos municípios e mais 16 mil estão em estoque.

O Brasil registrou 213 casos de febre amarela, sendo que 81 vieram a óbito, no período de 1º julho de 2017 a 30 de janeiro deste ano. No mesmo período do ano passado, foram confirmados 468 casos e 147 óbitos.

A febre amarela é transmitida por meio de vetor (mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes no ambiente silvestre). O último caso de febre amarela urbana foi registrado no Brasil em 1942, e todos os casos confirmados desde então decorrem do ciclo silvestre de transmissão.


Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Notícias relacionadas