Curta a nossa página
27/01 08h55 2020 Você está aqui: Home / Opinião Opinião Imprimir postagem

Diretoria da APL renovada. Por; Carlos Rubem

Você está aqui: Home / Opinião - com Opinião

Diretoria da APL renovada


Por; Carlos Rubem

 

Não poderia faltar à posse do acadêmico Zózimo Tavares à testa da Academia Piauiense de Letras - APL, ocorrida ontem à noite (24.01.2020), na sede deste Sodalício, em Teresina.

Conheci-o em 1989. À época, jornalista que o é, cobria a elaboração da Constituição Estadual do Piauí, no plenário da Assembleia Legislativa do Estado.

De há muito acompanho a sua trajetória profissional, inclusive como escritor. Manso, arguto, firme em seus comentários políticos. A sua famigerada coluna é um patrimônio não apenas a ele pertence. Os leitores se sentem representados ante aos seus lúcidos argumentos.

Tive a oportunidade de articular o lançamento de 04 ou 05 livros de sua autoria, em Oeiras. O último — Alberto Silva - uma biografia — veio acompanhado da sua Regina. Na oportunidade, novembro passado, passeei com o ilustre casal em diversos pontos da velha cidade.

A solenidade de posse foi bastante concorrida. Os seus pares, muita gente grada, amigos e admiradores do novel timoneiro da APL marcaram presença no evento em tela.

Uma das metas da nova da Diretoria da “Casa de Lucídio Freitas” é instalar o “Memorial O. G. Rêgo de Carvalho” (25.01.1930 - 09.11.2013), em sua terra natal, Oeiras. Já estou imaginando em qual prédio que abrigará o acervo desta destacada personalidade das letras nacionais.

O introspectivo filho de Seu Juquinha e de Dona Araci, certa feita disse que não teria sido escritor se não tivesse nascido em Oeiras.

De fato, em sua famosa trilogia — Ulisses entre o amor e a morte, Somos todos inocentes e Rio subterrâneo — a alma de Oeiras é revelada, a sua ambiência colonial, costumes avoengos, peculiaridades sociais, musicalidade, loucura...

Durante a recepção, reencontrei-me com a minha amiga Divaneide, Professora, com quem O. G. Rêgo foi casado, já madurão, em 1996. A diferença de idade entre ambos era de 40 anos.

Em dado momento apresentei-a ao Senador da República Elmano Férrer. Em meio a registros fotográficos, ao cumprimentar a incólume viúva, o parlamentar ficou todo assanhado, deu-lhe muitos beijos e abraços.

— Eita “vein” saliente, exclamei!

— Venha para cá, “vein” novo!, me disse o senador!

Putz grill!...

 

*Carlos Rubem é promotor de Justiça aposentado em Oeiras


Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Publicações relacionadas